Archive for Junho, 2010

Lesbian Vampire Queen, quer dizer… Evan Rachel Wood

Junho 21, 2010

Evan Rachel Wood, eu gosto de você desde a época de Once and Again, quando você pegou a Mischa Barton no melhor exemplo de romance teen, alegrando minhas tardes.Por isso dedicarei esse post só a você, me liga!

A seguir listarei mais alguns motivos que fazem da Evan Rachel Wood uma figura recorrente no meu imaginário, rs.

Evan foi considerada pelo jornal The Guardian como uma das melhores atrizes de sua geração, logo após ser  nomeada para o Golden Globe Award por sua atuação em Aos treze (2003). Nesse mesmo filme sua personagem, Tracy, anima várias travessuras bi-curious com a “amiguinha”.  Compensa também assistir, não só pela Evan mas pela história mesmo, The Wrestler (O lutador) onde ela faz uma ponta como a filha lésbica de Mickey Rourke.

Em Whatever Works (Tudo pode dar certo), ultimo filme de Woody Allen que saiu no Brasil, Evan é Melodie, uma menina com um delicioso sotaque do sul dos EUA que se apaixona por Boris, um velho ranzinza e mal-humorado que dá aulas de xadrez para crianças. O filme é um prato cheio pra quem curte humor negro, rabugice, e shortinhos bem curtos.

Evan estudou em casa, pq enchiam o saco dela na escola, prática milenar que recentemente ficou conhecida pelo hype de bullying, por isso também aprendeu a lutar e hoje é faixa preta em Taekwondo.  No currículo de relacionamentos está o ator inglês Jamie Bell (isso, aquele moleque que é namoradinho dela no clipe mela-cueca do Green Day), depois ela pegou o Marilyn Manson, aquela coisa errada e disforme.  Ele escreveu a música Heart- Shaped Glasses pra ela, e inclusive é possível ver os dois se pegando no clipe, totalmente indigesto na minha opinião.  Dizem que agora ela tá enrolada com o Alexander Skarsgard, o sueco gato que faz o vampiro Eric de True Blood.

Recentemente, Evan, faz  Sophie-Ann, uma vampira lésbica que é a rainha da Louisiana, no seriado True Blood. Na ultima temporada Sophie-Ann apareceu bem pouco e o seu lado lésbico também ficou bem incipiente. Mas para a terceira temporada os produtores já prometeram uma visibilidade maior e inclusive cenas hot, steamy de sexo (rs). Em entrevista a Newsweek, Evan disse que não vê problema em fazer cena de sexo com outra mulher e falando sobre sua personagem:

“It’s with a girl, that’s all I’m going to say. I don’t think vampires are really gay or straight. I think she just prefers women.”

Lembrando que já existe uma palavra que define mulher que prefere mulher, rs. Vamos lá Sophie-Ann, assuma logo que vc é uma lez de meio século de idade, adoramos mulheres maduras. Estou que não me aguento pra ver essas cenas!

Mc homo-feliz

Junho 17, 2010

Chegou no meu reader essa semana a seguinte atualização “Propaganda do McDonald’s causa polêmica na França”. Acontece que, mesmo assistindo o vídeo diversas vezes, eu não consegui enxergar tal polêmica e muito menos achar a iniciativa nobre ou digna de algum elogio. Alguns blogs de comunicação e entretenimento postaram a propaganda com captions enaltecendo, aplaudindo a multinacional pelo arrojo, ousadia e até “elegância” do discurso “a favor” dos homossexuais.

Uma coisa que me incomoda bastante em qualquer tipo de análise é o exagero. Analisar demais, na minha opinião, acaba soando como picuinha, simples implicância. Mas, em contrapartida, aceitar tudo com uma passividade quase bovina, e ainda achar nobre, é uma postura tanto equivocada quanto triste.

O McDonand’s em sua tentativa de fazer uma propaganda inclusiva, acaba incidindo em um erro primário, bastante recorrente nesse tipo de iniciativa. A propaganda é muito simples, basicamente igual todas as outras da franquia. Mostra a loja, com vários clientes felizes, rolando um indie-folk de fundo, pai e filho estabelecem um diálogo (ou seria um monólogo?) bastante sexista.  O pai se vangloria de ter sido um “conquistador de garotas” no passado e continua com algo tipo “uma pena em sua classe só ter meninos, você pegaria todas as meninas”. No melhor da atitude resignada, o filho sorri e emudece, mesmo que a narrativa tenha explicitado que anteriormente ele falava com um garoto em tom apaixonado, do qual ele sente saudades. O indie-folk então sobe justamente no refrão “I’m in a road of my own” e vemos o slogan incrivelmente nobre da empresa : Venha como você é. Isso é piada né? O que tem de nobre nesse discurso? Não quero render muito na minha análise, para justamente não virar picuinha, mas deixo uma pergunta: Eles fariam o que, barrariam o garoto de comer no McDonalds porque ele é gay? “Venha como você é” não é só um slogan pretensioso como desnecessário.

Na tentativa de “cativar” o público gay a empresa dá um tiro no próprio pé, e exemplifica com maestria (isso não podemos negar) como não se deve fazer uma propaganda inclusiva. Tem muito mais coisa no vídeo que renderiam análises exageradas e outras bastante óbvias, deixo a critério de vocês concordarem ou não. Definindo a propaganda em uma palavra: deprimente.


Enfim! Zooey Deschanel e seu primeiro papel gay no cinema.

Junho 10, 2010

Zooey e a namorada fancha

Eu não sei de vocês, mas eu me casaria com a Zooey, oh hell yeah! Zooey, além de ser cat, é vocalista de uma banda adorável  (She and Him) e só participa de projetos legais.  Musa de filmes indie, vale conferir o trabalho dela (entre outros)  em Almost Famous (Quase famosos – 2000), Guia do Mochileiro das Galaxias (2005),  Yes Man (Sim, senhor – 2008) e o já clássico 500 Dias Com Ela (2009) onde Zooey aparece no melhor estilo heartbreaker.  Ela toca teclado, percussão, banjo (<3) e ukelele, é compositora, já cantou em vários de seus filmes. Apesar de ter nascido na California tem uma mega cara de francesa perdida, como não se apaixonar?  Algumas amigas hétero sempre comentam que animariam alguma coisa se fosse com ela, rs.

O que faltava no currículo era, realmente, um papel gay.  Pois bem, a espera terminou… em termos. No seu próximo filme “My idiot brother” Zooey e Rashida Jones (tb muito gata) serão namoradas.  Apesar da cara de boazinha, neste filme, parece que Zooey dará um certo trabalho pra namorada Rashida.

Segundo o site Cinema em Cena, as filmagens começam no próximo mês, em Nova York, sob o comando de Jesse Peretz. A previsão de lançamento é para 2012. No filme, Paul Rudd (que eu tb adoro)  vai interpretar o tal irmão idiota, que tem que lidar com sua mãe, uma megera autoritária e intrometida.

Agora é esperar mesmo, torcendo pra colocarem cenas hot de sexo e vários beijos. Não é mesmo? rs